Apresentação

Em 2008, ao final do simpósio “Estudos de Paisagem nas Literaturas de Língua Portuguesa”, proposto pelas Profas. Dras. Ida  Maria Santos Ferreira Alves (UFF) e Márcia Manir Miguel Feitosa (UFMA), junto ao Congresso da Associação Brasileira de Literatura Comparada – ABRALIC, o grupo de participantes acordou a criação do Grupo de Pesquisa “Estudos de Paisagem nas Literaturas de Língua Portuguesa” para registro no Diretório dos Grupos de Pesquisa do Brasil – CNPq, com o seguinte perfil: participação de pesquisadores de diferentes instituições nacionais e internacionais; perspectiva interdisciplinar e articulação de diferentes trajetos de investigação a respeito da paisagem em estudo sistemático da produção literária de língua portuguesa dos séculos XX e XXI;  possibilidade de outros diálogos temporais e comparativos, de  maneira  a compreender a escrita de paisagens, nessas literaturas, como estrutura de sentido problematizadora das culturas de língua portuguesa, relação que, até aquele momento, não tinha sido objeto de investigação sistematizada e dialogante.

Desde então, o grupo vem se fortalecendo e definindo, de diferentes formas e em diferentes espaços acadêmicos, suas atividades e suas estratégias de trabalho. Os seus principais objetivos têm sido:   1- mapear a situação de pesquisa da paisagem, em âmbito literário de língua portuguesa; 2- divulgar linhas teóricas e críticas em torno dos estudos de paisagem e literatura; 3- promover cursos, colóquios, tradução de textos fundamentais sobre o problema; 4- publicar obras coletivas reunindo pesquisadores brasileiros que se debruçam sobre os estudos de paisagem no contexto da cultura de língua portuguesa, 5- promover e incentivar a formação de jovens pesquisadores na área e 6- constituir um discurso metodológico e definir instrumentos de análise para o tratamento das noções de paisagem, espaço e lugar.

Para examinar a paisagem como um construto fundamental da cultura, uma questão na linguagem e um pensamento reatualizado de habitação do mundo, formulações que o texto literário pode propor e operar, os participantes do grupo têm utilizado, especialmente, o trabalho teórico realizado por Michel Collot, da Université Sorbonne Nouvelle – Paris III, com máxima atenção ao discurso literário  e pelo geógrafo Yi-Fu Tuan e sua topofilia, em perspectiva anglo-saxônica, mas outras abordagens também são utilizadas de acordo com a linha de pesquisa dos integrantes do grupo, que é interinstitucional.

Nosso interesse é  o estudo das literaturas brasileira, portuguesa e africanas de língua portuguesa, em situação particular ou em diálogo. Nossa perspectiva de trabalho é interdisciplinar e comparatista, buscando compreender a área de Letras em contato com outros domínios de conhecimento e de reflexão.